Fragmentos do Contidiano

Criado: Segunda, 21 Setembro 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Desde o último episódio de ciúme de mim, Clara geralmente passa as tardes comigo, às vezes me pedindo carinho e até para botá-la para dormir – em parte, tal comportamento deve-se a ela já ter consciência de que precisa deixar Silvia trabalhar. Curiosamente, de manhã ela fica meio refratária a mim.

Vinha tendo dores nas costas pela falta da fisioterapia devido à pandemia de COVID-19 e, apesar disso, dizendo “não” quando a profissional que me atende perguntava se queria retomá-la. Acontece que o primeiro marido de Silvia morreu dessa doença, o que provocou várias tensões aqui em casa que, por sua vez, causaram uma distensão muscular na junção do meu pescoço com o ombro esquerdo que às vezes se espraia para toda a musculatura que envolve a escápula. Tomei relaxante muscular várias vezes, não resolveu, acabei retornando à fisioterapia, que diminuiu a dor, mas esta contínua porque ainda não consegui faze-la com regularidade.

No início do isolamento social, quando dispensamos nossa empregada, passei a arrumar a cama após me acordar – às vezes já fazia isso em Recife, mas lá era só botar no guarda-roupa o lençol com que me cobria, enquanto aqui em Curitiba tenho que puxar as cobertas dos lados, circulando ao redor da cama, engatinhando ou de joelhos, num quarto apertado. Há duas semanas, Silvia chegou ao quarto no momento em que eu desempenhava tal tarefa, disse “mas é mesmo o homem ideal” e me fez uma série de elogios. Fiquei surpreso e só depois atinei que poucos homens fazem o mesmo, sobretudo se puderem usar uma deficiência como desculpa. Mas foi Silvia que terminou de arrumar a cama, devido a um corolário de seu complexo de Mulher Maravilha – uma grande dificuldade de permitir que outra pessoa faça algo em seu lugar: em algumas ocasiões, vou apagar uma luz e ela se antecipa (nesse caso, também para me provocar).

Sou quem faz o grosso das compras de supermercado (pela Internet), com Silvia indo a esse tipo de estabelecimento só para compras menores. No início da pandemia, justamente quando tal esquema era mais necessário, ela resolveu assumir todas as compras desse tipo, alegando que as novas regras do condomínio dificultavam a entrega – não fui convencido, mas não havia muito que eu pudesse fazer. Tais regras mudaram de novo há duas semanas, reassumi essas compras e Silvia achou ótimo dispor de mais tempo – lidar com a Mulher Maravilha pode ser tortuosowink

Ultimamente tem acontecido de Silvia dar minha comida enquanto cuido para Clara comer com a própria mão. Ensinar independência numa situação de dependência é paradoxal.

0
0
0
s2sdefault

Ciúme da Filha II

Criado: Segunda, 17 Agosto 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Nesta manhã, Clara rejeitou todas as tentativas de aproximação que fiz. Depois do almoço, Silvia teve de sair para uma reunião, sua segunda filha procurou minha ajuda para fazer as lições de casa, Clara teve ciúme e não queria que eu fizesse qualquer coisa para sua irmã. Demorei uns dez minutos agoniado para conseguir digitar no Livox a instrução que minha enteada precisava – em seguida, tive de ir brincar com Clara e me dividir entre as duas. À noite, ela pegou uma revistinha e um lápis para fazer de conta que estava estudando comigo e me chamou de “professor sereio de matemática”. É fogo, além de precisar evitar problemas com o ciúme da mãe, agora tenho de fazer o mesmo com a filhawink

0
0
0
s2sdefault

Dia dos Pais

Criado: Domingo, 09 Agosto 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Clara já tem consciência do significado do Dia dos Pais. Nesta manhã ela grudou em mim e, quando eu quis ir ver o tablet, falou “não, pai, fica aqui".

0
0
0
s2sdefault

Autonomia

Criado: Domingo, 26 Julho 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

É comum pessoas com paralisia cerebral e outras deficiências serem passivas, sem iniciativas, temerosas da vida, do mundo, de correr riscos, e acho que fui assim até os 30 ou 35 anos e é difícil explicar porquê mudei – sempre há a possibilidade desse tipo de introspecção ser mera confabulação. Na minha infância, meu pai fazia todo o possível para eu adquirir autonomia e minimizar a dependência. Na época, encontrou pouca receptividade, geralmente fui inerme, inerte, meio preguiçoso, seguia a linha de menor resistência e minha mãe reforçava essa acomodação. Porém, a semente foi plantada e germinou após fazer uma psicoterapia nos anos 1990, quando percebi que meu pai estava certo e passei a me esforçar para seguir a direção apontada por ele, com resultados que às vezes colocaram a família em polvorosa.

Silvia é uma mulher totalmente independente e, recentemente, passou meia hora me falando que quer que Clara também seja. Mas coração materno não varia muito, na prática ela tem muitas atitudes que inibem ou até reduzem a independência desta e tenho me pego tendo o mesmo tipo de preocupações, inquietações, discussões, etc, que meu pai teve em relação a mim.

0
0
0
s2sdefault

Dores e Outros Problemas

Criado: Sábado, 25 Julho 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Com já quatro meses sem fisioterapia devido à pandemia de COVID-19, estou com cada vez mais dores musculares – a profissional que a faz chegou a me sondar em junho, deixei o retorno para agosto e vou adiar de novo, já que a pandemia está descontrolada no Sul. Mesmo quando tenho disciplina para fazer exercícios com regularidade, os alongamentos que faço parecem inadequados e as dores vêm se multiplicando, principalmente nas costas – nesse caso, há o paliativo de me deitar de bruços, mas só posso fazer isso num horário de manhã e noutro à tarde, senão tenho refluxo. Já tive uma distensão leve atrás do joelho esquerdo causada por um alongamento mal feito e estou com um ponto dolorido no ombro esquerdo, onde nunca tive problema nem sei o motivo. Quero comprar um equipamento para alongar as costas, mas o cartão de crédito que usava foi bloqueado para compras na Internet, o aplicativo deixou de gerar o cartão virtual, Silvia chegou a ir a uma agência do banco emissor para habilitar o app e não conseguiu; pelo aborrecimento, vou cancela-lo, pedi um de outro emissor e preciso esperar este chegar. Haja paciência!

0
0
0
s2sdefault

Grude

Criado: Sábado, 25 Julho 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Na manhã de terça, enquanto Silvia trabalhando Clara demandou aquela, fiquei a chamando para brincar, demorou 30 a 40 minutos para me atender mas, quando o fez, grudou em mim, o que provocou situações engraçadas. No almoço, após Silvia me dá a salada Clara ficou falando algo como “não dê mais comida ao papai (para ele voltar a brincar comigo)”; na hora do lanche, quando eu já estava de pé segurado por Silvia, Clara fez me abaixar para retomar a brincadeira; essas situações se repetiram nos dias seguintes, para minha alegria embora às vezes fossem inconvenientes quando precisava fazer outra coisa – nessas brincadeiras, só consigo escutar algum vídeo com um fone de ouvido. Em parte, Clara brinca mais comigo porque as irmãs pouco se interessam em fazê-lo, inclusive porque ela contínua imperativa demais com estas sem que eu consiga encontrar um jeito de intervir nesse problema. Acho notável como Clara consegue contornar com imaginação minha dificuldade de interagir causada pela paralisia cerebral.

0
0
0
s2sdefault

5 Anos

Criado: Terça, 14 Julho 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Há exatamente 5 anos cheguei a Curitiba para morar com Silvia. Naturalmente vim na esperança de que fosse a melhor coisa da minha vida, mas também temia que terminasse em catástrofe, inclusive na morte de alguém – não sabia o que esperar. Embora muitas vezes chegamos à iminência de um desastre, acabou de fato nos trazendo a felicidade.

0
0
0
s2sdefault

Sensação de Amor

Criado: Quarta, 08 Julho 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Não venho dormindo bem, acordando cedo demais, quase de madrugada, e em algumas manhãs fico no quarto esperando Silvia se levantar, noutras não aguento a escuridão e vou engatinhando para a sala. Hoje, ao sair do quarto fui abrir as cortinas da varanda e fiquei uns 20 minutos olhando a paisagem, em especial prédios distantes refletindo a luz do sol que tinha acabado de nascer. Depois fui me deitar no sofá, o qual estava cheio de coisas, ao arrumá-lo me deparei com o kit de leitura dela – seu óculos, um dos livros que está lendo e uma caneta para anotações – e sorri ao ser tomado por uma sensação de amor e carinho; lembrei de um dos motivos pelos quais a amo tanto.

0
0
0
s2sdefault

Conta Digital

Criado: Terça, 07 Julho 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Resolvi abrir uma conta digital para deixar de pagar tarifas bancárias. Gostaria de ficar no Itaú, mas a Iti é só uma conta de pagamento e, como queria outro banco sólido, optei pela Next, do Bradesco. No início do ano, testei alguns bancos exclusivamente digitais para abrir uma conta em nome da empresa individual pela qual recebo o patrocínio deste blog e, por essa experiência, esperava que a abertura da Next requeresse no máximo uma foto do rosto, mas exige um vídeo e diz que pessoa deve falar que quer uma conta, o que é impossível para mim e me chateou muito. Em seguida, pensei em imprimir numa folha de papel que não posso falar porque tenho paralisia cerebral para exibi-la enquanto Silvia fazia o vídeo no seu celular, mas haveria o risco deste ser habilitado em vez do meu tablet – e, nessa etapa, a tela tinha o contorno de um rosto, me levando a crer que o papel não apareceria. Contatei o banco, uma atendente também sugeriu o papel, dizendo que ele iria aparecer, fiz o vídeo usando o Livox que ainda está instalado num tablet antigo agora utilizado por Clara e estou aguardando o resultado. Acho que o app da Next deveria alterar as instruções no processo de abertura de uma conta, de modo a facilitar a vida de quem tem alguma deficiência – surdez, paralisia cerebral, etc – que dificulta a fala.

0
0
0
s2sdefault

4 Anos de Clara

Criado: Segunda, 29 Junho 2020 Escrito por Ronaldo Correia Junior

Hoje Clara faz 4 anos e, nos dias anteriores, isso desencadeou várias lembranças. Talvez tenhamos a gerado exatamente no mesmo dia em que dei uma aliança a Silvia, que para esta ficou como o do nosso "casamento" – é impossível ter certeza, pois a ultrassonografia tem uma margem de erro de duas semanas. Silvia tirou onda que a engravidei na nossa "noite de núpcias". De qualquer forma, foi um momento de amor intenso.

Na noite do nascimento de Clara, eu estava completamente apavorado, pensando em mil coisas que poderiam dar errado: um acidente de parto que talvez matasse Silvia e/ou deixasse Clara com uma lesão cerebral - a hipoglicemia com que nasceu realmente poderia ter esse efeito –, que eu seria inútil como pai, que nosso relacionamento acabaria, etc.

Agora, me desmancho tanto com Clara que, ao vê-la montada em mim brincando de cavalinho – o que implica carregar uns 16kg nas costas e o risco de dar uma queda nela –, ontem Silvia disse que um dia ela ia me amarrar a uma cadeira e dançar em volta.

0
0
0
s2sdefault